sábado, 11 de março de 2017

Capítulo XIII - A PIOLHENTA DO JIGUÊ

       


No outro dia por causa da machucadura Macunaíma amanheceu com uma grosseira pelo corpo todo. Foram ver e era a erisipa, doença comprida. Os manos trataram dele bem e traziam diariamente pra casa todos esses remédios pra erisipela que os vizinhos e conhecidos, todos esses Brasileiros aconselhavam. O herói passou uma semana de cama. De-noite sonhava sempre com embarcações e a dona da pensão quando vinha de-manhã por amor de saber como ia o herói dizia sempre que embarcação significava na certa viagem por mar. Depois saía deixando sobre a cama do enfermo o Estado de São Paulo. E o Estado de São Paulo era um jornal. Então Macunaíma gastava o dia lendo todos esses anúncios de remédios pra erisipa. E eram muitos anúncios!
No fim da semana o herói estava descascando bem e foi na cidade buscar sarna pra se cocar. Andou banzando banzando, e muito fatigado por causa da fraqueza parou no parque do Anhangabaú. Chegara bem debaixo do monumento a Carlos Gomes que fora um músico muito célebre e agora era uma estrelinha do céu. O ruído da fontemurmurejando na tardinha dava pro herói a visagem das águas do mar. Macunaíma sentou no parapeito da fonte eassuntou os baguais marinhos de bronze chorando água. E lá na escureza da gruta por detrás da tropilha presenciou uma luz. Fixou mais e distinguiu uma embarcação muito linda que vinha boiando sobre as águas. É uma vigilengamurmurou. Porém a nau vinha chegando cada vez maior. É um gaiola murmurou. Mas o gaiola vinha chegando tão granto tão! que o herói deu um salto sarapantado e
gritou na bôca-da-noite ecoada É um vaticano! O navio já vinha bem visível por detrás dos baguais de bronze. Tinha o corte da velocidade no casco de prata e os mastros inclinados pra trás estavam cheios de bandeiras que o vento da correria imprensava entre as lâminas de ar. O grito chamara os choferes da esplanada e todos curioseavam o gesto parado do herói e seguiam o risco do olhar dele batendo na fonte escura.
— Quê foi, herói?
— Olha lá!... Olha o vaticano macota que vem vindo sobre as águas imensas do mar!
— Aonde!
— Por detrás do cavalo de estibordo!
Então todos viram por detrás do cavalo de estibordo o navio chegando. Já estava bem perto e ia passar entre o cavalo e a parede de pedra, já estava na boca da gruta. E era um navio guaçu.
— Não é vaticano não! é o transatlântico fazendo viagem por mar! gritou um chofer japonês que já fizera muita viagem por mar. E era um transatlântico enorme. Vinha iluminado, relampeava todo de ouro e prata embandeirado e festeiro. Os óculos das cabinas eram colares no casco e nos cinco deques empoleirados corria música entre a gentana dançando mexida no cururu. A choferada comentava:
— É do Lóide!
— Não, é da Hamburgo!
— Vá saindo! tou percebendo! então! É il piróscafo Conte Verde em vez! E era o piróscafo Conte Verde sim. E era a Mãe D'água que vinha bancando piróscafo pra atentar o herói.
— Gente! adeus, gente! Vou pra Europa que é milhor! Vou em busca de Venceslau Pietro Pietra que é o gigante Piaimã comedor de gente! que o herói discursava. E toda a choferada abraçava Macunaíma se despedindo. O vapor estava ali e Macunaíma já pulara no cais da
fonte pra subir a escadinha do piróscafo Conte Verde. Todos os tripulantes na frente da música acenavam chamando Macunaíma e eram marujos forçudos, eram Argentinos finíssimos e eram tantas donas lindíssimas pra gente brincar até enjoar com os balangos das ondas.
— Desce a escadinha, capitão! que o herói exclamou.
Então o capitão tirou o cocar e executou uma letra no ar. E todos, os marujos os Argentinos finíssimos e as cunhas lindíssimas pra Macunaíma brincar, todos esses tripulantes soltaram vaias macotas caçoando do herói enquanto o navio manobrando sem parar dava a popa pra terra e flechava de novo pro fundo da gruta. E todos aqueles tripulantes viraram doentes com erisipa sempre caçoando do herói. E
quando o piróscafo atravessou o estreito entre a parede da gruta e o bagual de bombordo a chaminèzona guspiu uma
fumaçada de pernilongos, de borrachudos mosquitos-pólvora mutucas marimbondos cabas potós môsca-de-ura, todos
esses mosquitos afugentando os motoristas.
O herói sentado no rebordo da fonte penava todo mordido e com mais erisipa, mais, todo erisipelado. Sentiu frio e veio febre. Então espantou com um gesto os mosquitos e caminhou pra pensão.
No outro dia Jiguê entrou em casa com uma cunhatã, fez ela engolir três bagos de chumbo pra não ter filhos e os dois dormiram na rede. Jiguê tinha se amulherado. Ele era muito valente. Passava o dia limpando a espingarda e afiando a lamparina. A companheira de Jiguê todas as manhãs ia comprar macaxeira prós quatro comerem e se chamava Suzi. Porém Macunaíma que era o namorado da companheira de Jiguê, todos os dias comprava uma lagosta pra ela, punha no fundo do jamachi e por cima esparramava a macaxeira pra ninguém não maliciar. Suzi era bem feiticeira. Quando chegava em casa deixava a cesta na saleta e ia dormir pra sonhar. Sonhando ela falava pra Jiguê:
— Jiguê, meu companheiro Jiguê, estou sonhando que tem lagosta por debaixo da macaxeira.
Jiguê ia ver e tinha. Todos os dias era assim e Jiguê tendo amanhecido com dor-de-cotovelo desconfiou. Macunaíma percebeu a dor do mano e fez uma mandinga pra ver si passava. Pegou numa cuia e de-noite deixou-a no terraço, rezando manso:
Água do céu Vem nesta cuia,
Paticl vem nesta água, Moposêru vem nesta água, Sivuoímo vem nesta água, Omaispopo vem nesta água,
Os Donos da Água enxotem a dor-de-corno! Aracu, Mecumecuri, Pai que venham nesta água,
E enxotem a dor-de-corno si o doente beber esta água Em que estão encantados os Donos da Água!
Deu pra Jiguê beber no outro dia porém não surtiu efeito não e o mano andava muito desconfiado.
Quando Suzi se vestia pra ir na feira, assobiava o foxtrote da moda pro namorado ir também. O namorado era Macunaíma, ia. A companheira de Jiguê saía e Macunaíma saía atrás. Andavam brincando por aí e quando chegava a hora da volta já não tinha macaxeira mais na feira. Pois então Suzi disfarçando ia atrás da casa, sentava no jamachi e puxava uma porção de macaxeira de dentro do maissó. Todos comiam muito bem, só Maanape resmungava:
— Caboclo de Taubaté, cavalo pangaré, mulher que mija em pé, libera nós Dominé! e empurrava a comida.
Maanape era feiticeiro. Não queria saber daquela macaxeira não e como andava curtindo fome passava o tempo mastigando ipadu pra enganar. De-noite quando Jiguê queria pular na rede a companheira dele principiava gemendo, falando que estava empanzinada de tanto engolir caroço de pitomba. Era só pra Jiguê não brincar com ela. Jiguê teve raiva.
No outro dia ela foi na feira e assobiou o foxtrote da moda. Macunaíma saiu atrás. Jiguê era muito valente. Pegou numa mirassanga enorme e foi devagarinho atrás deles. Procurou procurou e encontrou Suzi com Macunaíma de, mãos dadas no Jardim da Luz. Já estavam se rindo um pro outro. Jiguê desceu a mirassanga nos dois, levou a companheira pra pensão e deixou o mano fatigado na beira da lagoa entre cisnes.
Do outro dia em diante Jiguê é que fazia as compras deixando a companheira presa no quarto. Suzi sem quefazer passava o tempo contrariando a moralidade mas uma feita o santo Anchieta vindo ao mundo passou pela casa dela e por piedade ensinou-a a catar piolhos. Suzi possuía uns cabelos ruivos à la garçonne e sustentava muitos piolhos, muitos! Agora não sonhava mais que tinha lagostas por debaixo da macaxeira nem não fazia imoralidades. Quando Jiguê par- tia ela tirava os cabelos e espetando-os no porrete do companheiro, catava piolhos. Mas tinha muitos piolhos, muitos! Então com medo que o companheiro apanhasse ela no trabalho, falou assim:
— Jiguê, meu companheiro Jiguê, quando você volta do mercado bate primeiro na porta, bate todos os dias uma porção de tempo pra mim ficar contente e ir cozinhar a macaxeira.
Jiguê falou que sim. Todos os dias ia no mercado comprar macaxeira e quando voltava batia demorado na porta. Então a cunha botava os cabelos na cabeça e ficava esperando Jiguê.
— Suzi, minha companheira Suzi, bati uma porção de vezes na porta, será que você alegrou?
— Muito! ela fez. E foi cozinhar a macaxeira.
E todos os dias eram assim. Mas tinha muitos piolhos, muitos! É que ela contava os catados um por um e por isso os piolhos aumentavam. Uma feita Jiguê matutou no que ficava fazendo a companheira quando ele ia no mercado e teve vontade de assustá-la, fez. Virou de pernas pro ar e veio andando nas pontas das mãos. Abriu a porta e assustou Suzi. Isso ela gritou botando afobada a cabeleira na cabeça. E os cabelos da testa ficaram no cangote e os cabelos do cangote ficaram na testa escorrendo. Jiguê xingou Suzi de porca e deu nela até escutar alguém subindo a escada. Era Chico vindo de baixo. Então Jiguê parou e foi afiar a bicuda.
No outro dia Macunaíma estava outra vez com vontade de brincar com a companheira de Jiguê. Falou prós manos que ia numa caçada longe porém não foi não. Comprou duas garrafas de licor de butiá catarinense uma dúzia de sanduíches dois abacaxis de Pernambuco e se amoitou no quartinho. Passado tempo saiu de lá e falou pra Jiguê, mostrando o embrulho:
— Mano Jiguê, no fim de muitas ruas, você indo, tem uma fruteira trilhada. Vi um poder de caça, vá ver! O mano espiou desconfiado pra ele porém Macunaíma disfarçou bem:
— Olhe, tem paca tatu cotia... Minto, cotia não enxerguei nenhuma. Paca tatu, cotia não. Jiguê emprenhava pelas oiças mesmo, foi logo pegando na espingarda e falou:
— Então vou porém mano jura primeiro que não brinca com minha obrigação.
Macunaíma jurou pela memória da mãe que nem olhava pra Suzi. Então Jiguê tornou a pegar na espingarda-pá e na faca de ponta-tá tatatá e partiu. Macunaíma nem bem Jiguê virou a esquina ajudou Suzi abrindo os embrulhos e botando uma toalha da renda famosa chamada Ninho de Abelha cujo papelão fora roubado em Muriú do Ceará Mirim pela danada Geracina da Ponta do Mangue. Quando tudo ficou pronto os dois pularam na rede e brincaram. Agora estão se rindo um pro outro. Depois de rirem bastante, Macunaíma falou:
— Desarrolha uma garrafa pra gente beber.
— Sim, ela fez. E beberam a primeira garrafa de licor de butiá que era muito gostoso. Os dois estalaram a língua e pularam na rede outra vez. Brincaram quanto quiseram. Agora estão se rindo um pro outro.
Jiguê andou légua e meia, foi até no fim das ruas, campeou a fruteira uns pares de vezes, muito tempo, jacaré achou? nem ele! Não tinha fruteira nenhuma e Jiguê voltou campeando sempre por todos os fins das ruas. Afinal chegou subiu no quarto e encontrou mano Macunaíma com a Suzi já rindo. Jiguê teve raiva e deu uma coca na companheira. Agora ela está chorando. Jiguê agarrou o herói e chegou o porrete com vontade nele. Deu que mais deu até Manuel chegar. Manuel era o criado da pensão, um ilhéu. Agora o herói está fatigado. E Jiguê que vinha padecendo de fome. então comeu as sanduíches os abacaxis e bebeu o licor de butiá.
Os dois sovados passaram a noite se lastimando. No outro dia Jiguê enfarado pegou na sarabatana e saiu pra ver si encontrava à tal de fruteira. Jiguê era muito bobo. Suzi viu ele sair, enxugou os olhos e falou pro namorado:
— Choremos não.
Então Macunaíma desamarrou a cara e se arranjou pra ir falar com mano Maanape. Jiguê de volta na pensão perguntou pra Suzi:
— Onde anda o herói?
Porém ela estava zangadíssima e principiou assobiando. Então Jiguê agarrou no porrete, se chegou pra companheira e disse muito triste:
— Vai embora, perdição!
Daí ela sorriu feliz. Catou sem contar todos os piolhos que restavam e eram muitos piolhos, atrelou-os a uma cadeira-de-balanço, sentou nela, os piolhos pularam e Suzi foi pro céu virada na estrela que pula. É uma zelação.
O herói nem bem viu Maanape de longe pegou se lastimando. Se atirou nos braços do mano e contou uma história bem triste provando que Jiguê não tinha razão nenhuma pra sová-lo tanto. Maanape ficou zangado e foi falar comJiguê. Mas Jiguê também já vinha pra falar com Maanape. Se encontraram no corredor. Maanape contou pra Jiguê e Jiguê contou pra Maanape. Então eles verificaram que Macunaíma era muito safado e sem caráter. Voltaram pro quarto de Maanape e toparam com o herói se lastimando. Pra consolar levaram ele passear na máquina automóvel.


Conteúdo completo disponível em:






       



       





Conteúdo completo disponível em:






Links:


Honoré de Balzac PDF

Machado de Assis PDF

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Biomas Brasileiros

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil

Norte Catarinense (Mesorregião)

Norte Central (Mesorregião)

A população atual do estado de Mato Grosso do Sul

Rio de Janeiro - Representação e Localização

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

O Diário de Anne Frank

Salmos 01 - Bíblia

TOP 10: Poesia - Poemas em Português, Espanhol, francês e inglês


Velhas Árvores - Olavo Bilac

Marabá - Gonçalves Dias

Fim - Mário de Sá-Carneiro

Sonnet 18 - William Shakespeare

Vos Que, Dolhos Suaves e Serenos

Bandido negro - Os Escravos - Castro Alves

As cismas do destino - Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesia

TOP 20: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

O Mito de Sísifo - Albert Camus

Anne Frank PDF

anne frank pdf

biblia pdf

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

Abel e Helena- Artur Azevedo

Outras Poesias - Augusto dos Anjos

Amor De Perdição - Camilo Castelo Branco

Hell or The Inferno from The divine comedy - Dante Alighieri

A Ilustre Casa de Ramires - Eça de Queiros - PDF

Canudos e outros temas - Euclides da Cunha - PDF

Eeldrop and Appleplex - T. S. Eliot - Thomas Stearns Eliot

Marília De Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga - PDF Download Livro Online

O Corcunda de Notre-Dame - Victor Hugo - PDF Download Livro Online

Eneida - Virgilio

O Quarto de Jacob - Virginia Woolf - PDF

A Tempestade - William-Shakespeare - Livros em PDF para Download

Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida - Bíblia

Bíblia Sagrada - Católica

TOP 30: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


Losin Control - Russ

Redbone - Childish Gambino

Make Love - Gucci Mane & Nicki Minaj

How Far I'll Go - Auli'i Cravalho

Comin Out Strong - Future Featuring The Weeknd

Selfish - Future Featuring Rihanna

Slide - Calvin Harris Featuring Frank Ocean & Migos

Stay - Zedd & Alessia Cara

Yeah Boy - Kelsea Ballerini

Zoom - Future

El Amante - Nicky Jam

No Favors - Big Sean Featuring Eminem

Cash Me Outside (#CashMeOutside) - DJ Suede The Remix God

Black - Dierks Bentley

How Far I'll Go - Alessia Cara

Dancing On My Own - Calum Scott

In Case You Didn't Know - Brett Young

Super Trapper - Future

Not Nice - PARTYNEXTDOOR

Road Less Traveled - Lauren Alaina

The Fighter - Keith Urban Featuring Carrie Underwood

Guys My Age - Hey Violet

Hurricane - Luke Combs

The Weekend - Brantley Gilbert

Everyday - Ariana Grande Featuring Future

Reminder - The Weeknd

Fast - Luke Bryan

Any Ol' Barstool - Jason Aldean

Call On Me - Starley

Look At Me! - XXXTENTACION

Rolex - Ayo & Teo

Ayo & Teo - Wikipedia

Believer - Imagine Dragons

Moves - Big Sean

Sober Saturday Night - Chris Young Featuring Vince Gill

Shining - DJ Khaled Featuring Beyonce & JAY Z

Something Just Like This - The Chainsmokers & Coldplay

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo


Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira

Fernando de Noronha - Pernambuco PE - Brasil

Guarda do Embaú - Parque Estadual da Serra do Tabuleiro - Palhoça - Santa Catarina - Brasil

Audiobook, Educação Infantil, Ensino Fundamental


Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

Os Sertões - Euclides da Cunha

Pride and Prejudice - Jane Austen

TOP 10: BLOG by Sanderlei Silveira


Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Urry - C. J. Dennis

As festas populares no estado de Santa Catarina - SC

As festas populares no estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Os símbolos do estado do Rio de Janeiro - RJ

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil (Atualizado até 01/2017)

Idade das Religiões - História

Ursa Maior

A Carolina

Os Sertões - Euclides da Cunha - Áudio Livro


Lista de BLOGs by Sanderlei Silveira



Artur de Azevedo - Contos

Audio Livro - Sanderlei

AudioBook - Sanderlei

Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesias

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas - Sanderlei

Contos de Eça de Queirós

Curso de Espanhol Online - Gratis e Completo

Curso de Inglês Online - Gratis e Completo

Diva - José de Alencar - Audiobook

Economia em 1 Minuto - Sanderlei

Educação Infantil - Nível 1 (crianças entre 4 a 6 anos)

Educação Infantil - Nível 2 (crianças entre 5 a 7 anos)

Educação Infantil - Nível 3 (crianças entre 6 a 8 anos)

Educação Infantil - Nível 4 (crianças entre 7 a 9 anos)

Educação Infantil - Nível 5 (crianças entre 8 a 10 anos)

Educação Infantil - Nível 6 (crianças entre 9 a 11 anos)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Áudio Livro)

Historia en 1 Minuto

History in 1 Minute

História em 1 Minuto

João da Cruz e Sousa - Broquéis

Lima Barreto - Contos (Áudio Livro - Audiobook)

Livros em PDF para Download (Domínio Público) - Sanderlei

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Machado de Assis

A Mão e a Luva - Machado de Assis

Crônica - Machado de Assis

Dom Casmurro - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Helena - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Papéis Avulsos - Machado de Assis

Poesia - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Teatro - Machado de Assis

Macunaíma - Mário de Andrade

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mein Kampf (Minha luta) - Adolf Hitler

O Diário de Anne Frank

Os Escravos - Castro Alves

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Poesia - Sanderlei Silveira

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR)

Poetry in English - Sanderlei Silveira

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Salmos - Bíblia Online

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

SAP - Course Free Online

Sonetos - Poemas de Amor - Luís Vaz de Camões

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Totvs - Datasul - Treinamento Online (Gratuito)

HISTÓRIA EM 1 MINUTO

BÍBLIA ONLINE – SANDERLEI

DOM CASMURRO – MACHADO DE ASSIS

HISTORIA EN 1 MINUTO – SANDERLEI

HISTORY IN 1 MINUTE – SANDERLEI

O Diário de Anne Frank

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo - Sanderlei Silveira


quinta-feira, 9 de março de 2017

Capítulo I

       


Macunaíma


No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite. Houve um momento em que o silêncio foi tão grande escutando o murmurejo do Uraricoera, que a índia, tapanhumas pariu uma criança feia. Essa criança é que chamaram de Macunaíma.
Já na meninice fez coisas de sarapantar. De primeiro: passou mais de seis anos não falando. Sio incitavam a falar exclamava: If — Ai! que preguiça!. . . e não dizia mais nada.] Ficava no canto da maloca, trepado no jirau de paxiúba, espiando o trabalho dos outros e principalmente os dois manos que tinha, Maanape já velhinho e Jiguê na força de homem. O divertimento dele era decepar cabeça de saúva. Vivia deitado mas si punha os olhos em dinheiro, Macunaíma dandava pra ganhar vintém. E também espertava quando a família ia tomar banho no rio, todos juntos e nus. Passava o tempo do banho dando mergulho, e as mulheres soltavam gritos gozados por causa dos guaimuns diz-
que habitando a água-doce por lá. No mucambo si alguma cunhatã se aproximava dele pra fazer festinha, Macunaíma punha a mão nas graças dela, cunhatã se afastava. Nos machos guspia na cara. Porém respeitava os velhos, e freqüentava com aplicação a murua a poracê o torê o bacorocô a cucuicogue, todas essas danças religiosas da tribo.
Quando era pra dormir trepava no macuru pequeninho sempre se esquecendo de mijar. Como a rede da mãe estava por debaixo do berço, o herói mijava quente na velha, espantando os mosquitos bem. Então adormecia sonhando palavras-feias, imoralidades estrambólicas e dava patadas no ar.
Nas conversas das mulheres no pino do dia o assunto eram sempre as peraltagens do herói. As mulheres se riammuito simpatizadas, falando que espinho que pinica, de pequeno já traz ponta, e numa pagelança Rei Nagô fez um discurso e avisou que o herói era inteligente.
Nem bem teve seis anos deram água num chocalho pra ele e Macunaíma principiou falando como todos. E pediu pra mãe que largasse da mandioca ralando na cevadeira e levasse ele passear no mato. A mãe não quis porque não podia largar da mandioca não. Macunaíma choramingou dia inteiro. De noite continuou chorando. No outro dia esperou com o olho esquerdo dormindo que a mãe principiasse o trabalho. Então pediu pra ela que largasse de tecer o paneiro de guarumá-membeca e levasse ele no mato passear. A mãe não quis porque não podia largar o paneiro não. E pediu pra nora, companheira de Jiguê que levasse o menino. A companheira de Jiguê era bem moça e chamavaSofará. Foi se aproximando ressabiada porém desta vez Macunaíma ficou muito quieto sem botar a mão na graça deninguém. A moça carregou o piá nas costas e foi até o pé de aninga na beira do rio. A água parará pra inventar um ponteio de gozo nas folhas do javari. O longe estava bonito com muitos biguás e biguatingas avoando na estrada do furo. A moça botou Macunaíma na praia porém ele principiou choramingando, que tinha muita formiga!... e pediu praSofará que o levasse até o derrame do morro lá dentro do mato, a moça fez. Mas assim que deitou o curumim nas tiriricas, tajás e trapoerabas da serrapilheira, ele botou corpo num átimo e ficou um príncipe lindo. Andaram por lá muito.
Quando voltaram pra maloca a moça parecia muito fatigada de tanto carregar piá nas costas. Era que o herói tinha brincado muito com ela. Nem bem ela deitou Macunaíma na rede, Jiguê já chegava de pescar de puçá e a companheira não trabalhara nada. Jiguê enquizlou e depois de catar os carrapatos deu nela muito. Sofará agüentou a sova sem falar um isto.
Jiguê não desconfiou de nada e começou trançando corda com fibra de curauá. Não vê que encontrara rasto fresco de anta e queria pegar o bicho na armadilha. Macunaíma pediu um pedaço de curauá pro mano porém Jiguê falou que aquilo não era brinquedo de criança. Macunaíma principiou chorando outra vez e a noite ficou bem difícil de passar pra todos.
No outro dia Jiguê levantou cedo pra fazer arma-ilha e enxergando o menino tristinho falou:
— Bom-dia, coraçãozinho dos outros. Porém Macunaíma fechou-se em copas carrancudo.
— Não quer falar comigo, é?
— Estou de mal.
— Por causa?
Então Macunaíma pediu fibra de curauá. Jiguê olhou pra ele com ódio e mandou a companheira arranjar fio pro menino, a moça fez. Macunaíma agradeceu e foi pedir pro pai-de-terreiro que trançasse uma corda para ele e assoprasse bem nela fumaça de petum.
Quando tudo estava pronto Macunaíma pediu pra mãe que deixasse o cachiri fermentando e levasse ele no mato passear. A velha não podia por causa do trabalho mas a companheira de Jiguê mui sonsa falou pra sogra que estava às ordens. E foi no mato com o piá nas costas.
Quando o botou nos carurus e sororocas da serrapilheira, o pequeno foi crescendo foi crescendo e virou príncipe lindo. Falou pra Sofará esperar um bocadinho que já voltava pra brincarem e foi no bebedouro da anta armar um laço. Nem bem voltaram do passeio, tardinha, Jiguê já chegava também de prender a armadilha no rasto da anta. A companheira não trabalhara nada. Jiguê ficou fulo e antes de catar os carrapatos bateu nela muito. Mas Sofará agüentou a coca com paciência.
No outro dia a arraiada inda estava acabando de trepar nas árvores, Macunaíma acordou todos, fazendo um bué medonho, que fossem! que fossem no bebedouro buscar a bicha que ele caçara!... Porém ninguém não acreditou e todos principiaram o trabalho do dia.
Macunaíma ficou muito contrariado e pediu pra Sofará que desse uma chegadinha no bebedouro só pra ver. A moça fez e voltou falando pra todos que de fato estava no laço uma anta muito grande já morta. Toda a tribo foi buscar a bicha, matutando na inteligência do curumim. Quando Jiguê chegou com a corda de curauá vazia, encontrou todos tratando da caça, ajudou. E quando foi pra repartir não deu nem um pedaço de carne pra Macunaíma, só tripas. O herói jurou vingança.
No outro dia pediu pra Sofará que levasse ele passear e ficaram no mato até a bôca-da-noite. Nem bem o menino tocou no folhiço e virou num príncipe fogoso. Brincaram. Depois de brincarem três feitas, correram mato fora fazendo festinhas um pro outro. Depois das festinhas de cotucar, fizeram a das cócegas, depois se enterraram na areia, depois se queimaram com fogo de palha, isso foram muitas festinhas. Macunaíma pegou num tronco de copaíba e se escondeu por detrás, da piranheira. Quando Sofará veio correndo, ele deu com o pau na cabeçadela. Fez uma brecha que a moça caiu torcendo de riso aos pés dele. Puxou-o por uma perna. Macunaíma gemia de gosto se agarrando no tronco gigante. Então a moça abocanhou o dedão do pé dele e engoliu. Macunaíma chorando de alegria tatuou o corpo dela com o sangue do pé. Depois retesou os músculos, se erguendo num trapézio de cipó e aos pulos atingiu num átimo o galho mais alto da piranheira. Sofará trepava atrás. O ramo fininho vergou oscilando com o peso do príncipe. Quando a moça chegou também no tope eles brincaram outra vez balanceando no céu.Depois de brincarem Macunaíma quis fazer uma festa em Sofará. Dobrou o corpo todo na violência dum puxão mas não pôde continuar, galho quebrou e ambos despencaram aos emboléus até se esborracharem no chão. Quando o herói voltou da sapituca procurou a moça em redor, não estava. Ia se erguendo pra buscá-la porém do galho baixo em riba dele furou o silêncio o miado temível da suçuarana. O herói se estatelou de medo e fechou os olhos pra ser comido sem ver. Então se escutou um risinho e Macunaíma tomou com uma gusparada no peito, era a moça. Macunaíma principiou atirando pedras nela e quando feria, Sofará gritava de excitação tatuando o corpo dele em baixo com o sangue espirrado. Afinal uma pedra lascou o canto da boca da moça e moeu três dentes. Ela pulou do galho e juque! tombou sentada na barriga do herói que a envolveu com o corpo todo, uivando de prazer. E brincaram mais outra vez.
Já a estrela Papacéia brilhava no céu quando a moça voltou parecendo muito fatigada de tanto carregar piá nas costas. Porém Jiguê desconfiado seguira os dois no mato, enxergara a transformação e o resto. Jiguê era muito bobo. Teve raiva. Pegou num rabo-de-tatu e chegou-o com vontade na bunda do herói. O berreiro foi tão imenso que encurtou o tamanhão da noite e muitos pássaros caíram de susto no chão e se transformaram em pedra.
Quando Jiguê não pôde mais surrar, Macunaíma correu até a capoeira, mastigou raiz de cardeiro e voltou são. Jiguê levou Sofará pro pai dela e dormiu folgado na rede.


Conteúdo completo disponível em:































Links:


Honoré de Balzac PDF

Machado de Assis PDF

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas | Song Lyrics - Songtext

Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Educação Infantil - Vídeos, Jogos e Atividades Educativas para crianças de 4 à 11 anos

Biomas Brasileiros

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil

Norte Catarinense (Mesorregião)

Norte Central (Mesorregião)

A população atual do estado de Mato Grosso do Sul

Rio de Janeiro - Representação e Localização

Dom Casmurro - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

O Diário de Anne Frank

Salmos 01 - Bíblia

TOP 10: Poesia - Poemas em Português, Espanhol, francês e inglês


Velhas Árvores - Olavo Bilac

Marabá - Gonçalves Dias

Fim - Mário de Sá-Carneiro

Sonnet 18 - William Shakespeare

Vos Que, Dolhos Suaves e Serenos

Bandido negro - Os Escravos - Castro Alves

As cismas do destino - Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesia

TOP 20: PDF para Download - Domínio Público


Livros em PDF para Download

O Mito de Sísifo - Albert Camus

Anne Frank PDF

anne frank pdf

biblia pdf

Mein Kampf - Adolf Hitler - Download PDF Livro Online

Abel e Helena- Artur Azevedo

Outras Poesias - Augusto dos Anjos

Amor De Perdição - Camilo Castelo Branco

Hell or The Inferno from The divine comedy - Dante Alighieri

A Ilustre Casa de Ramires - Eça de Queiros - PDF

Canudos e outros temas - Euclides da Cunha - PDF

Eeldrop and Appleplex - T. S. Eliot - Thomas Stearns Eliot

Marília De Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga - PDF Download Livro Online

O Corcunda de Notre-Dame - Victor Hugo - PDF Download Livro Online

Eneida - Virgilio

O Quarto de Jacob - Virginia Woolf - PDF

A Tempestade - William-Shakespeare - Livros em PDF para Download

Bíblia Sagrada - João Ferreira de Almeida - Bíblia

Bíblia Sagrada - Católica

TOP 30: Billboard - Letras de Músicas - Song Lyrics - Songtext


Comin Out Strong - Future Featuring The Weeknd

Selfish - Future Featuring Rihanna

Slide - Calvin Harris Featuring Frank Ocean & Migos

Stay - Zedd & Alessia Cara

Yeah Boy - Kelsea Ballerini

Zoom - Future

El Amante - Nicky Jam

No Favors - Big Sean Featuring Eminem

Cash Me Outside (#CashMeOutside) - DJ Suede The Remix God

Black - Dierks Bentley

How Far I'll Go - Alessia Cara

Dancing On My Own - Calum Scott

In Case You Didn't Know - Brett Young

Super Trapper - Future

Not Nice - PARTYNEXTDOOR

Road Less Traveled - Lauren Alaina

The Fighter - Keith Urban Featuring Carrie Underwood

Guys My Age - Hey Violet

Hurricane - Luke Combs

The Weekend - Brantley Gilbert

Everyday - Ariana Grande Featuring Future

Reminder - The Weeknd

Fast - Luke Bryan

Any Ol' Barstool - Jason Aldean

Call On Me - Starley

Look At Me! - XXXTENTACION

Rolex - Ayo & Teo

Ayo & Teo - Wikipedia

Believer - Imagine Dragons

Moves - Big Sean

Sober Saturday Night - Chris Young Featuring Vince Gill

Shining - DJ Khaled Featuring Beyonce & JAY Z

Something Just Like This - The Chainsmokers & Coldplay

Rent Money - Future

Migos - Wikipedia

Mask Off - Future

Heavy - Linkin Park Featuring Kiiara

Draco - Future

Love - Lana Del Rey

How Would You Feel (Paean) - Ed Sheeran

Swang - Rae Sremmurd

Audiobook, Educação Infantil, Ensino Fundamental


Atividades Educativas Ensino Fundamental - Aprendendo sobre o Dinheiro

Os Sertões - Euclides da Cunha

Pride and Prejudice - Jane Austen

TOP 10: BLOG by Sanderlei Silveira


Bad And Boujee - Migos Featuring Lil Uzi Vert

Urry - C. J. Dennis

As festas populares no estado de Santa Catarina - SC

As festas populares no estado de São Paulo - SP

As festas populares no estado do Paraná - PR

As festas populares do estado de Mato Grosso do Sul - MS

Os símbolos do estado do Rio de Janeiro - RJ

Prédios mais altos do Mundo e do Brasil (Atualizado até 01/2017)

Idade das Religiões - História

Ursa Maior

A Carolina

Os Sertões - Euclides da Cunha - Áudio Livro


Lista de BLOGs by Sanderlei Silveira



Artur de Azevedo - Contos

Audio Livro - Sanderlei

AudioBook - Sanderlei

Augusto dos Anjos - Eu e Outras Poesias

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas - Sanderlei

Contos de Eça de Queirós

Curso de Espanhol Online - Gratis e Completo

Curso de Inglês Online - Gratis e Completo

Diva - José de Alencar - Audiobook

Economia em 1 Minuto - Sanderlei

Educação Infantil - Nível 1 (crianças entre 4 a 6 anos)

Educação Infantil - Nível 2 (crianças entre 5 a 7 anos)

Educação Infantil - Nível 3 (crianças entre 6 a 8 anos)

Educação Infantil - Nível 4 (crianças entre 7 a 9 anos)

Educação Infantil - Nível 5 (crianças entre 8 a 10 anos)

Educação Infantil - Nível 6 (crianças entre 9 a 11 anos)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Áudio Livro)

Historia en 1 Minuto

History in 1 Minute

História em 1 Minuto

João da Cruz e Sousa - Broquéis

Lima Barreto - Contos (Áudio Livro - Audiobook)

Livros em PDF para Download (Domínio Público) - Sanderlei

Língua Portuguesa, Arte e Literatura

Machado de Assis

A Mão e a Luva - Machado de Assis

Crônica - Machado de Assis

Dom Casmurro - Machado de Assis

Esaú e Jacó - Machado de Assis

Helena - Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

Papéis Avulsos - Machado de Assis

Poesia - Machado de Assis

Quincas Borba - Machado de Assis

Teatro - Machado de Assis

Macunaíma - Mário de Andrade

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mein Kampf (Minha luta) - Adolf Hitler

O Diário de Anne Frank

Os Escravos - Castro Alves

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Poesia - Sanderlei Silveira

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR)

Poetry in English - Sanderlei Silveira

Rio de Janeiro - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Salmos - Bíblia Online

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

SAP - Course Free Online

Sonetos - Poemas de Amor - Luís Vaz de Camões

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Totvs - Datasul - Treinamento Online (Gratuito)

HISTÓRIA EM 1 MINUTO

BÍBLIA ONLINE – SANDERLEI

DOM CASMURRO – MACHADO DE ASSIS

HISTORIA EN 1 MINUTO – SANDERLEI

HISTORY IN 1 MINUTE – SANDERLEI

O Diário de Anne Frank